Nota Pública sobre a violação dos direitos civis de Miriam França

Nota

Nota Pública do Comitê Nacional Impulsor da Marcha das Mulheres Negras 2015 sobre a violação dos direitos civis de Miriam França

As Redes de Organizações do Movimento de Mulheres Negras e do Movimento Negro que compõem o Comitê Nacional Impulsor da Marcha Nacional de Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver, que se realizará no dia 18 de novembro de 2015, reunidas nos últimos dias 10 e 11 de janeiro, em Brasília – DF, vem a público se associar às diversas manifestações de repúdio pela forma discriminatória e arbitrária com que a doutoranda da Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ, Miriam França, jovem negra brasileira, esta sendo tratada pelo aparato estatal do Governo do Estado do Ceará e exigir sua imediata libertação, assim como a apuração do crime misógino que vitimou a italiana Gaia Barbara Molinari, encontrada morta no dia 25 de dezembro. Do mesmo modo, exigimos a abertura de investigações sérias sobre Dossiê elaborado pelo Conselho Comunitário de Jericoacoara, em 2010, e entregue às autoridades policiais com denúncias sobre a escalada de estupros naquela região, que permanecem sem apuração até o presente.

A jovem pesquisadora negra brasileira, Miriam França, está encarcerada há mais de 10 (dez) dias ilegalmente, já que não foram apresentadas provas que comprovassem sua ligação com o ato criminoso, a não ser as expressões da subjetividade e do imaginário racista, sexista e lesbofóbico da Delegada de Polícia que trata do caso, com a cumplicidade do Poder Executivo do Ceará, que a manteve incomunicável por vários dias, infringindo o sistema jurídico
penal brasileiro e em franca violação dos Direitos Humanos e das Convenções de que este pais é signatário.

Comunicamos que em apoio à jovem pesquisadora negra brasileira, Miriam França, que está sendo assistida juridicamente pela Defensoria Pública do Estado do Ceará, estamos constituindo formalmente o advogado Humberto Adami como assistente processual da impetrante D. Valdiceia França, mãe de Miriam França.

A jovem pesquisadora negra brasileira, Miriam França, é uma das muitas de mulheres negras brasileiras violadas em seus direitos humanos e constitucionais cotidianamente, mediante a conivência do poder público e de amplos setores da sociedade, para manter redes de privilégios e vantagens as quais nos expropriam da plena participação na vida social e política.

Marcharemos porque somos todas Miriam França!

Marcharemos porque somos todas Claudia da Silva Pereira!

Marcharemos porque somos todas Valdiceia França!

Marcharemos porque somos todas Aline Pimentel!

Marcharemos em defesa de nossas vidas!

Comitê Nacional Impulsor da Marcha das Mulheres Negras 2015:

Articulação de Mulheres Negras Brasileiras – AMNB

Agentes de Pastorais Negros/as – APNS

Coordenação Nacional de Comunidades Negras Quilombolas – CONAQ

Coordenação Nacional de Entidades Negras – CONEN

Federação Nacional de Trabalhadoras Domésticas – FENATRAD

Fórum Nacional de Mulheres Negras – FNMN

Movimento Negro Unificado – MNU

União do Negro pela Igualdade – UNEGRO

Núcleo Impulsor do Estado de São Paulo realiza a primeira reunião de 2015

Próxima reunião está marcada para esta terça-feira (13/1) no Sindsep


por Juliana Gonçalves

Realizado na última terça-feira, a pauta do encontro foi a estruturação da Plenária Estadual de Formação e Organização para a Marcha das Mulheres Negras 2015 que ocorrerá nos próximos dias 17 e 18 de janeiro na Casa do Professor (Rua Bento Freitas, 71, Largo do Arouche – São Paulo/SP). O objetivo da plenária é estimular a participação e envolvimento na construção da marcha de outros setores organizados de mulheres negras/movimento negro. Aguardem a divulgação da programação completa em breve.

São Paulo retoma reuniões de organização da Marcha das Mulheres Negras 2015, que acontecerá em 18 de novembro, em Brasília Foto: Juliana Gonçalves

São Paulo retoma reuniões de organização da Marcha das Mulheres Negras 2015, que acontecerá em 18 de novembro, em Brasília
Foto: Juliana Gonçalves

A próxima reunião do Núcleo Impulsor do Estado de São Paulo será no dia 13 de janeiro, às 19h00, no Sindsep (na Rua da Quitanda, 162, 1º andar).

Contato: [email protected]

NOTA PÚBLICA: Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver acontecerá, em 18 de novembro de 2015, em Brasília

Nota

icone_assinado

NOTA PÚBLICA: Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver acontecerá, em 18 de novembro de 2015, em Brasília

Brasília, 11 de janeiro de 2015.

O Comitê Nacional Impulsor da Marcha de Mulheres Negras 2015, reunido em Brasília nos dias 10 e 11 de janeiro, definiu a alteração de data de realização da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver para 18 de novembro de 2015, na capital federal.
A mudança de data é decorrente da avaliação das organizações que integram o comitê nacional sobre:
 o recrudescimento do racismo e sexismo e o avanço de forças conservadoras e neoliberais no Estado e na sociedade civil;
 a composição de uma agenda contínua de enfrentamento à violência racial e patriarcal em todos os espaços que se façam necessários com respostas contundentes e sistemáticas do movimento de mulheres negras em âmbito local, regional e nacional;
 novas interlocuções políticas que demandam novas estratégias de combate ao racismo e ao sexismo.
Frente a esse quadro político, incorporou-se à Marcha a seguinte agenda de mobilização, nos municípios e nos estados, de Março a Novembro de 2015:
 8 de Março: Dia Internacional da Mulher.
 21 de Março: Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial.
 27 de abril: Dia Nacional da Trabalhadora Doméstica.
 13 de Maio: Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo.
 25 de Julho: Dia da Mulher Afrolatinoamericana e Afrocaribenha.
 18 de Novembro: Marcha das Mulheres Negras 2015, em Brasília.]

No mesmo encontro, o Comitê Nacional assumiu o caráter executivo, sendo composto por: Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), Associação das Pastorais Negras (APNs), Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Fórum Nacional de Mulheres Negras, Movimento Negro Unificado (MNU) e União de Negros pela Igualdade (Unegro).

Comitê Nacional Impulsor da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver

Contatos: [email protected] e facebook.com/marchamnegra

Bamidelê movimenta João Pessoa com a Marcha

No último dia 25 de julho, Dia Internacional das Mulheres Negras da América Latina e do Caribe e dia de Teresa de Benguela no Brasil, entidades e coletivos de mulheres da Paraíba estiveram presentes no evento de lançamento da Marcha das Mulheres Negras 2015 – Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver no Estado. O evento teve por objetivo, assim como a finalidade da Marcha, “denunciar a ação sistemática do racismo e do sexismo com que somos atingidas diariamente mediante a conivência do poder público e da sociedade, com a manutenção de uma rede de privilégios e de vantagens que nos expropriam oportunidades de condição e plena participação da vida social”.

Bamidelê agitou João Pessoa no Dia da Mulher Negra

Bamidelê agitou João Pessoa no Dia da Mulher Negra

Organizado pelo Comitê Impulsor da Marcha na Paraíba, o ato político aconteceu no Parque Solon de Lucena, um dos pontos turísticos mais importantes e mais movimentados da capital paraibana, e contou com as apresentações de vários grupos de expressões culturais afro, tendo como protagonistas mulheres negras, como as Mulheres Capoeiristas, Cirandeiras de Caiana dos Crioulos, Coral Voz Ativa, Manu Lima, Sementes da Jurema, Aja Mulher e Dandara Alves. O momento também proporcionou a adesão de mais mulheres negras na construção de uma série de atividades preparatórias que resultarão numa delegação paraibana rumo à Brasília, no dia 13 de maio de 2015, data em que acontecerá a Marcha Nacional das Mulheres Negras.

Dezenas de pessoas prestigiaram a atividade da #Marcha2015MulheresNegras

Dezenas de pessoas prestigiaram a atividade da #Marcha2015MulheresNegras

Evento lança a Marcha das Mulheres Negras 2015 no estado de São Paulo

por Semayat Oliveira

O processo de mobilização para a Marcha Nacional das Mulheres Negras 2015, programada para o dia 13 de maio do próximo ano, em Brasília, já começou em São Paulo. Marcando mais um dia de luta, o lançamento oficial da marcha no estado ocorreu em 25 de julho, data em que se comemoram o Dia Interncaional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Cerca de 100 pessoas participaram do evento marcado pela expressiva presença de mulheres negras, homens e da juventude.

Deputada estadual Leci Brandão (em pé) e deputada federla Janete Pietá demonstram compromisso com a Marcha das Mulheres Negras

Deputada estadual Leci Brandão (em pé) e deputada federla Janete Pietá demonstram compromisso com a Marcha das Mulheres Negras

Homenageando o centenário de Carolina Maria de Jesus, as articuladoras da marcha em São Paulo apresentaram conquistas e revoluções travadas a partir de 1914, ano de nascimento de Carolina, até 2014 em uma linha do tempo. O objetivo foi resgatar o histórico de luta, resistência e fortificar a necessidade de continuarmos na busca de visibilidade, reconhecimento e o rompimento das barreiras racistas e sociais que mantém as mulheres negras em um cenário de violência e à margem dos direitos.

“Convocamos todas as forças do movimento de mulheres negras do Estado de São Paulo, partidos, sindicatos e centrais sindicais, ONGs, movimentos religiosos, movimentos populares, organizações estudantis de mulheres e de juventude para juntos construirmos a Marcha das Mulheres Negras 2015, momento importante da luta por um Brasil com soberania, com desenvolvimento social e econômico, sem racismo, discriminação, lesbofobia, machismo e intolerância religiosa”, diz o manifesto estadual da marcha que apresenta os motivos que levarão as mulheres negras para as ruas novamente, vinte anos depois da histórica Marcha Zumbi dos Palmares – contra o Racismo, pela Igualdade e a Vida, realizada em 20 de novembro de 1995, com a participação de 30 mil pessoas.

Kika Silva e deputada federal Janete Pietá reforçam a mensagem da campanha nas redes sociais

Kika Silva e deputada federal Janete Pietá reforçam a mensagem da campanha nas redes sociais

Kika Silva, que integra o núcleo impulsor nacional representando o estado de São Paulo, reforçou em sua fala o quanto a capital paulista é importante para o ato e destacou o trabalho coletivo. “Todas nós somos a marcha. Precisamos trabalhar juntas nessa construção, definir quantas queremos ser – a partir de São Paulo – no dia 13 em Brasília e encontrar formas de atingir esse objetivo.”

Em São, dezenas de mulheres negras prestigiam lançamento estadual da Marcha

Em São, dezenas de mulheres negras prestigiam lançamento estadual da Marcha

A deputada federal Janete Pietá (PT) e a deputada estadual Leci Brandão (PcdoB) compareceram ao evento e reforçaram o insistente quadro de desigualdade e de violência presente no cotidiano deste público. “É muito importante que o coletivo de pessoas que está aqui nesta noite se divida para a organização da marcha em outras cidades de São Paulo, para articular as mulheres de outras regiões”, ressaltou Janete. “Pelo fim do racismo institucional que nos trata como se não fossemos ninguém. Chega!”, exclamou a deputada.

Jornalista Juliana Gonçalves lê documento da Marcha das Mulheres Negras

Jornalista Juliana Gonçalves lê documento da Marcha das Mulheres Negras

Leci Brandão reforçou a necessidade de aumentar o número de mulheres negras em condição de poder político e a real abertura de desenvolvimento de campanha para aquelas que já conquistaram espaço. “Sou a segunda mulher negra a ocupar um lugar na Assembleia Legislativa de São Paulo. Além de mais reprsentantes, precisamos de condições para exercer nosso papel com dignidade e igualdade.”

A Marcha foi idealizada em Salvador, Bahia, no Encontro Paralelo da Sociedade Civil para o Afro XXI: Encontro Ibero Americano do Ano dos Afrodescendentes, de 16 a 20 de novembro de 2011. A intenção é reunir o máximo de organizações de mulheres negras, outras frentes do Movimento Negro e organizações de mulheres não negras que apoiem a equidade sócio-racial e de gênero.

Jovem negra afirma a mensagem #Marcha2015MulheresNegras

Jovem negra afirma a mensagem #Marcha2015MulheresNegras

Declare seu apoio a esta mobilização usando a hashtag #Marcha2015MulheresNegras nas redes sociais.